top of page
Buscar

O TERAPEUTA

Eu era um jovem estudante de Medicina. Meu pai estava doente. Comemoramos juntos, naquele ano, a minha admissão em um disputado estágio de férias. O mundo estava abrindo as suas portas e eu caminhava resoluto em sua direção.


O volume de experiências, lembrando agora, era avassalador. Não apenas o conteúdo que necessitava ser compreendido e estudado. Mas as sensações desconhecidas, intensas e exigentes. Era a minha própria exigência que me fazia querer ser melhor.


Junto com a realização pessoal chegavam os medos e a dúvida. Serei capaz? Estarei à altura do que é esperado de mim? Estava perante o maior desafio que eu já havia enfrentado.


Em meio a todo esse turbilhão, um par de olhos me observava, sem que eu percebesse.


Certo dia o diretor da enfermaria me chamou para uma conversa particular. Me disse que percebia o meu sofrimento e que haviam outras formas de lidar com tudo o que eu sentia.


Escreveu um nome e um telefone em um pedaço de papel, estendeu o braço e eu imediatamente aceitei. Agradeci pelo seu interesse no meu bem estar e pela sua amizade. Não acredito que o tenha agradecido o suficiente.


Foi assim que conheci o Dr. Nelio, o meu terapeuta. Homem de métodos bem definidos, mas que não conseguiam esconder a sua paixão por cuidar de seus pacientes. Um homem dedicado e sagaz.


Foram anos difíceis. Infernos internos e externos.


Certo dia lhe liguei para informar que não poderia comparecer ao nosso encontro. Ingenuamente me perguntou a razão. Eu estava sofrendo e era muito jovem.


“Porque o meu pai está morrendo!”, gritei ao telefone.


Após saber que eu estava em um hospital naquele momento, me surpreendeu com um pedido.


“Posso passar aí após o término dos meus atendimentos?”


No final daquele dia, estávamos juntos na unidade de tratamento intensivo. Estar ali é um dos privilégios para os que praticam a Medicina. Foi o que me permitiu ficar com o meu pai.


Na hora em que mais necessitei, tive a presença do meu terapeuta ao meu lado.


Entre o vazio e a desolação absoluta, a sua presença foi um apoio valioso.


Me lembro claramente da única vez em que o vi chorar.


Estávamos nos despedindo, após o término do nosso trabalho. Eu havia lhe dado um livro de presente. Escrevi a dedicatória na página em que estava impressa a citação de uma frase do Freud:


“A psicanálise é, em essência, a cura pelo amor.”


Posts recentes

Ver tudo

Sentido para a Vida

Em meio aos muitos casos de ansiedade, depressão, e uso abusivo de substâncias, me deparo regularmente com pessoas com dificuldades para encontrar um sentido para a vida. “Me explica melhor o que sent

MINHA FAMILIA

Às vezes me pego pensando em como teria sido se eu tivesse vivido em outra família, que não a minha. É um exercício inútil, como todos que iniciam com a palavra “se”. Porém me faz refletir sobre os s

A RAZÃO E A EMOÇÃO

Acreditamos que para tomarmos decisões acertadas devemos lidar racionalmente com os fatos, tentando ser menos emocionais. Em outras palavras, não confiamos às nossas emoções as decisões mais important

Comments


bottom of page